A cada início de ano, quem tem crianças em idade escolar dentro de casa assume o ritual: ir às compras para garantir o material escolar. Mas, em um cenário tão diferente (visto que no ano passado, as aulas começaram antes da chegada do coronavírus ao país), janeiro de 2021 pode trazer novidades.

Confira as dicas para economizar e não cair em ciladas:

Pesquisa – Principalmente na internet, é possível comparar os preços dos produtos com agilidade antes de fechar a compra. E essa é uma etapa básica para conseguir qualquer economia.

Custo total – Analisando uma amostra de 20 produtos da lista de material escolar, concluímos que livros, cadernos, borrachas e canetas, entre outros produtos, podem sair até 50% mais baratos em papelarias e lojas virtuais em comparação com os preços oferecidos nas lojas físicas. Mas, para economizar de fato, é importante levar em consideração também o valor do frete para a entrega dos produtos.

Avaliação – Como as escolas tiveram de se adaptar ao novo cenário que a pandemia trouxe, talvez um item ou outro tenha mudado em relação às listas tradicionais. Não compre automaticamente o que acha que será pedido. Avalie antes a lista.

Reutilização – Antes de ir às compras, verifique o que já tem em casa e pode ser reaproveitado. Além disso, entre em contato com as famílias de outros estudantes, oferecendo troca ou compra de materiais de anos anteriores.

Prioridades – Se está com dificuldades financeiras para comprar todo o material listado, pergunte à escola quais itens são essenciais e quais podem ser cortados, sem prejudicar o aprendizado da criança, ou comprados no segundo semestre.

Benefícios – O Cuponomia reúne códigos e vouchers de desconto e cashback para usar em grandes varejistas.

Gostou do post? Deixe sua opinião aqui:

Post escrito por:

Julia Carvalho